Os brutos também amam

Conheci recentemente uma senhora de 80 anos que me pareceu ser uma pessoa bem difícil. Mantivemos algum contato superficial durante algum tempo, mas, com sua mudança do prédio onde moramos, ela nos solicitou alguns pequenos favores. Quase todos os dias batia à porta do nosso apartamento. Quando foi se despedir da minha família, se emocionou ao dizer que era uma pena ter nos conhecido melhor somente agora. Seus olhos ficaram lacrimejantes.

O ser humano possui uma capacidade quase natural de julgar as pessoas. É um potente filtro que atua fazendo uma seleção. Dessa pessoa eu gosto, dessa não; esse não me parece simpático, essa não me agradou, etc, etc. Se julgamos, também somos julgados. Como agravante deste fato, acontece muitas vezes, de verbalizarmos nossa compreensão dos outros, projetando nossas próprias fraquezas, ou mesmo manipulando algo a partir do que achamos.

Você costuma prestar atenção a esse sutil monólogo interior quando está diante de alguém? Não é tão fácil calar nossa língua interior. Alcançar a história pessoal de cada indivíduo envolve algum grau de conhecimento e sensibilidade, bem como algum nível importante de contato.

Quantas histórias vive um único ser humano ao longo de uma existência? Quantas alegrias, dores, dramas, sofrimentos, quem sabe, dúvidas atrozes? Entendo que por isso não devemos julgar com nossas medidas ainda tão limitadas. Mesmo aquelas pessoas mais duras trazem em si alguma candura escondida ou não manifestada: “os brutos também amam!”. Não julgar. Este é um exercício diário, mas que com certeza, nos permite uma relação melhor com nossos semelhantes.

Eduardo Augusto 07/11/11

Anúncios

3 Comentários on “Os brutos também amam”

  1. KATIA MESSIAS disse:

    Muito bom este texto viu Edu. Vou compartilhar com alguns amigos. Vejo que o bom mesmo é quando conseguirmos amar a todas as pessoas que se aproximam da gente, enxergar o melhor nas pessoas, já que o outro sempre funciona como um espelho pra nós. Abraço. Kátia.

  2. Luiz Claudio Circunde disse:

    Eduardo tenho que concordar com você, afinal:

    Mateus 7:1
    Não julgueis, para que não sejais julgados.

    Marcos 12
    30 – Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento.
    31 – E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes.

  3. Camila Maranhão disse:

    Muito lindo seu texto, Edu! Parabéns!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s