O começo do mundo

Estrelas 2

“Desde o começo do mundo que o homem sonha com a paz. Ela está dentro dele mesmo. Ele tem a paz e não sabe. É só fechar os olhos e olhar pra dentro de si mesmo”.

Roberto Carlos. Todos estão surdos.

Difícil acreditar que o mundo acabará daqui a 3 dias. Temos tanto a fazer… talvez ele acabe um dia por causa da guerra, porque estamos destruindo as florestas e todos os habitats naturais, por causa da ganância e da ignorância humana.

“E Deus fez a Terra e viu que a Terra era boa e descansou”. Aqui ficamos, lutando, “comendo o pão com o suor do nosso rosto”.

Quanto mais corremos, mais nos exaurimos. Não temos tempo pra comer, tempo pra respirar, tempo pra dormir. Verdade seja dita, nem tempo pra viver. Apenas sobreviver.

Falta-nos essa preciosa qualidade chamada paz. É muita turbulência pra pouco coração. Não que não sejamos capazes de amar, de nos doar. Mas, estamos preferindo muito mais nos machucar. Pura inconsciência de tanta gente sofrida.

Que em 2013 sejamos muito mais tolerantes, bem mais preocupados com o outro, com o planeta. Mais ligados nas estrelas. Menos estressados e arrogantes, menos impacientes e orgulhosos.

Que o Novo Ano que se inicia seja de mais paz, pois “a paz é a gente que faz!” Onde ela está presente acontece o amor, clareia a luz!

Eduardo

18/12/12


O poder do sonanbulismo

Poste

Meu amigo, Anderson Gomes, viu o que nenhum poeta talvez tenha visto. Um poste prestes a desabar em uma movimentada avenida. Por lá passam todos os dias, carros e pedestres. Sim, pedrestres. Mães com criancinhas no colo? Provável.

Enquanto o poeta viu no meio do caminho uma pedra, ele viu um risco. Até quando? Talvez até amanhã, até depois de amanhã, até o ano que vem que já está próximo. Mas, quando determinadas situações envolvem perigo, soluções devem ser apressadas. Mas, é Natal, tempo de falar de paz, de amor, de fraternidade, diriam alguns. Tempo também de falar de vidas, não é mesmo? Porque o mundo é uma grande aldeia. Somos todos índios. Alguns são canibais. Querem o lucro a qualquer custo, mesmo trabalhando pouco, mesmo pensando pouco.

Na capital mineira, os vereadores reajustaram seus salários, nesta tranquila manhã de 3ª feira, em 34,15%. Não querem querem ver comentários nas redes sociais.

Para quem acompanha esse novo mundo tecnológico, é fácil perceber como tem gente incomodada com a conveniência partidária, com a sujeira das ruas,com o descaso dos políticos, o desleixo com a saúde e a educação, a apatia de parte do funcionalismo público. Você  sabe, sonânbulos vagueiam de olhos abertos, às vezes, bem abertos. Porém, nada enxergam… é preciso acordá-los.

Eduardo

18/12/12


Self

from the blog www.stuckincustoms.com

Tem gente que tá igualzinho a rádio velho: não tá nem ligando mais pra nada. São as pelejas da vida, o nadar contra a corrente, a navegação em mar bravio. A pessoa cansa e ainda tem muito mar pela frente…

Eu acredito sinceramente, como pensou o pesquisador suíço Carl Jung: somos empurrados em direção a um Self o tempo todo. O desejo de se auto-realizar, de ser feliz, de encontrar no meio de nossas contradições, a calma, a paz, a felicidade. De nos vermos frente a frente sem escapatórias, porém, sem também acharmos que não valemos nada.

Conhecer-se a si mesmo. Lutar com verdadeiras feras que moram dentro de nós: ira, gula, luxúria, nossos mesquinhos defeitos, nossos repetitivos hábitos. Lutar. Esse é o caminho do herói, daquele que não desiste, que renova suas forças a cada manhã.

Tem gente que vai perdendo o contato consigo mesmo, que desanima mais do que o necessário, que cai em depressão… Tantas pedradas, pauladas e nenhum travesseiro macio para encostar a cabeça. Ah, mas ele existe. Às vezes está tão perto… mas a pessoa prefere colocar a cabeça dura encima da pedra. Ela se esquece de amolecer o coração, de relaxar o pescoço, de dormir o sono dos anjos, de fugir das armadilhas do ego. Sim, somos fracos muitas vezes. Mas somos ainda mais fortes quando na guerra, algo quer nos derrubar.  À nossa espera, o caminho do herói que volta pra casa, que deixa para trás labirintos de incompreensões e incompletudes. É para isso que vivemos: para retornar à nossa velha casa, onde o jardim não ficou de todo abandonado. Onde um dia colheremos uma flor, reflexo de nossa alma.

Eduardo

12/12/12


Memória de Elefante

Jotalhão

Não tenho memória de elefante e se depender da agenda do celular ou do provedor de email estará relegada ao ócio.

Resolvi um dia desses usar o recurso via email. No horário programado, ele disparou para me lembrar de uma consulta médica da minha filha. Bem no cantinho esquerdo aparecia a pergunta? Vai? Achei graça. Despretensiosa formulação. Ao lado, esperando o meu clique, as palavras Sim -Talvez -Não -Outras opções. Que outras opções terei fiquei me perguntando sem fazer essa última escolha.

Foi-se o tempo em que podíamos confiar mais em nossa memória, na cadernetinha de bolso, na nossa mãe ou no nosso pai a nos lembrar de tantas coisas. Nesse mundo da pressa, é mais fácil guardar o que for necessário usando apenas as pontas dos dedos.

Que outras opções terei senão ser um homem do meu tempo, das redes sociais, da foto revelada na hora, da comunicação instantânea com um amigo de minha longínqua infância ou com meu colega de trabalho bem ao lado. Que outras razões terei para me lembrar que o mundo já foi diferente, que o tempo passava mais devagar…

Sim, vou à consulta. Nem precisa me lembrar, muito menos perguntar de novo!

Eduardo

11/12/12


Homem de ferro

homemdeferro

Você precisa ir ao banco. Todo banco que se preze tem uma porta giratória. Você tentará vencê-la? Inútil, se na sua bolsa, na sua calça, quem sabe na cueca, tiver algum objeto metálico. Mínimo que seja. Um simples chaveiro, uma moedinha da sorte… A chave do cadeado do portão? Uma arma. Mas essa senhora parece que chegou agora da feira. Esse senhor tem cara de quem vai à missa todos os dias. Esse outro, trouxe a filhinha no colo. Por que pensar em armas nessas horas é o que quase todos se perguntam. Mas, regras são regras. Os vigias não dizem isso. Eles ficam em silêncio e parecem se divertir de alguma forma com o nosso passo atrás. Será que a senhora não tem aí uma sombrinha? Um celular? A desonestidade tornou mesmo o mundo burocrático. É preciso trazer o carnê pra pagar, é preciso enfrentrar as filas, e é preciso principalmente, vencer a porta giratória. Quem dera viver e cantar como o poeta: “Caminhando contra ao vento, sem lenço sem documento, no sol de quase dezembro, eu vou…”.

Eduardo

09/12/12


Nada

ondas

Quem nunca viu bebês tomando banho, ou mesmo no raso de um piscininha? É contagiante a alegria que transmitem. Parece que fomos feitos pra água! Também é lindo ver alguém nadando com a máxima técnica. Impressionante a sincronicidade, a harmonia dos gestos, mesmo vencendo uma resistência 800 vezes maior que a do ar.

A natação é um dos esportes mais completos que existem. Segundo estudos de importantes universidades do mundo, ela melhora a capacidade respiratória e circulatória, aumenta a massa muscular, alonga as fibras musculares, descomprime a coluna vertebral, amplia ainda os movimentos articulares gerando ganho de flexibilidade, melhora o raciocínio, a coordenação motora; dentre outros tantos benefícios.

Aprendi a me virar muito cedo na água. Devia ter uns 8 anos. Meu pai jogou a mim e ao meu irmão caçula na piscininha do clube e disse com um sorriso no rosto: nada! Um imperativo que fez a maior diferença em nossas vidas. Sou imensamente grato a ele por ter aprendido naquele momento a nadar.

Eduardo

09/12/12


Apagando

vale-do-jequitinhonha-3

Você olha para o seu celular e percebe que ele está repleto de mensagens. Então, um dia, você resolve fazer com que todas elas desapareçam. Faz as marcações, seleciona a opção desejada e vem a mensagem: Tem certeza de que deseja apagar todas as mensagens? É como se não tivéssemos esse direito! Ou, se corrêssemos um enorme risco deletando algo muito precioso… melhor não arriscar sempre, não é? Na dúvida, guarde bem seus segredos.

Na mitologia grega, como na Divina Comédia de Dante, se fala de Lete, o rio do esquecimento. Aqueles que bebessem de suas águas apagavam de sua memória todos os pecados cometidos e assim podiam reencarnar já purificados, iniciando novamente sua jornada por sobre a Terra.

Deve ser bom viver sem pecados, sem manchas, só enxergando a perfeição em tudo e em todos e, o principal, sem mais errar. Enquanto esse tempo não chega, continuarei apagando minhas mensagens de celular…

Eduardo

09/12/12.