O trato com a criança

Familia junta

Dizeis:
É cansativo lidar com crianças.
Tendes razão.
Depois acrescentais:
porque é necessário colocar-se no seu nível, abaixar-se, inclinar-se, curvar-se, fazer-se pequeno.
Agora estais enganados.
Não é isso o que mais cansa. É o fato de serdes obrigado a elevar-se à altura dos seus sentimentos. Esticar-se, alongar-se, subir sobre a ponta dos pés.
Para não feri-las.

Janusz Korczak, médico e escritor polonês.

03/02/15

Anúncios

Frozen

Frozen 1

Frozen, animação da Disney, foi e continua sendo um grande sucesso e por sinal, não tem hora para acabar. Ainda mais se pensarmos na possibilidade da história ter uma continuação. Um fenômeno global que surpreendeu até mesmo os seus criadores.

Assisti no cinema com minha filha, que ficou encantada e depois foi ver no dia seguinte com a mãe e depois viu outras tantas vezes em casa e com as amiguinhas.

Particularmente fiquei impressionado com a narrativa tão bem construída. É um filme que diverte e emociona. Acho que, mais um pouquinho, ele seria um filme só para menininhas. Mas, isso não aconteceu. E, o motivo, na minha opinião, se deve ao talento de profissionais apaixonados pelo que fazem e que tem a dimensão do que é produzir um filme para crianças, sem ligar propriamente para questões de gênero.

A música Let it go (Livre estou) com a incrível perfomance (se é que posso dizer assim) de Elsa, personagem principal, gerou uma identificação quase que imediata com as meninas. O início da canção mostra Elsa solitária, subindo uma montanha gelada e que, com gestos vigorosos, vai criando tudo em volta com seus poderes; inclusive o boneco Olaf, outra estrela da animação.

A princesa do gelo, mostrou a que veio: elegante e senhora de si, mandando às favas o medo de ser quem ela era. É azul e branco o país da imaginação! A música ajudou e muito a criar esta atmosfera e foi um sucesso estrondoso em diversos idiomas.“De longe tudo muda… Parece ser bem menor…Os medos que me controlavam, não vejo ao meu redor… É hora de experimentar! Os meu limites vou testar! A liberdade veio enfim…pra mim…” (Trecho da canção).

É uma animação bem interessante que fala de medos, vaidades, solidão, coragem, perseverança, amor, sem esquecer é claro, do humor.

Enquanto isso, reprises e mais reprises… papais, mamães, titias e titios e toda a família, quem sabe, se encantando com as singelas encenações dessas pequenas princesas… como vimos outro dia, com minha sobrinha Gabi, filha do Bruno e da Márcia.

01/02/15