Gentileza

gentileza_gera_gentileza_bran

A moça à minha frente, na porta do elevador, fez um sinal para que eu, antes dela, entrasse primeiro. Pouco a pouco, ele foi enchendo, à medida que passava pelos andares. Quando num determinado momento parou novamente, algumas pessoas saíram e outras entraram. Uma senhora veio correndo, quando a porta estava quase fechando. Pensei comigo: o apito de superlotação será acionado. Não deu outra. Porém, aquela mesma moça do início dessa história, desceu e disse sorrindo descontraidamente: “a senhora pode ficar aí dentro!”.

Que interessante, não é mesmo? Gosto dessas cenas do cotidiano. Elas despertam em mim bons sentimentos.

Gentileza gera gentileza. Deve ser porque, sensibilizados, faremos de maneira igual, em outras situações. E pensar que conheci pessoalmente o autor dessa famosa frase! E ele a dizia com a maior solenidade!

Eduardo Augusto

05/11/13

Anúncios

A fé que desperta

Ave Maria

Todos os dias às 6 horas da tarde, na igreja ao lado do colégio onde estuda minha filha, toca a Ave-Maria. A música pode ser ouvida de diversos pontos do bairro, mesmo a uma distância considerável.

Um dia desses, a esta hora, eu estava numa pracinha, sentado ao lado de dois senhores. Quando começou a Ave-Maria, um deles parou de falar por breves segundos e tirou o chapéu em reverência àquele instante. Fez isso com a naturalidade de quem traz a fé em seu coração.

Estava eu hoje num posto de gasolina, quando vi um dos frentistas retomar o seu turno de trabalho; não sem antes tirar o boné e fazer o sinal da cruz. Ele precisava contar com as bênçãos de Deus para lhe dar forças.

Momentos de devoção em meio ao agito das ruas. Sinais da fé a nos lembrar de algo maior.

Eduardo Augusto

19/02/14


O Everest

Everest

Você alguma vez já sonhou em chegar até o Everest, o ponto mais alto do planeta?

Como disse Waldemar Niclevicz, o primeiro brasileiro a escalar o monte: “Bem lá no alto é possível ver a curvatura da Terra”.

Para os nepaleses ele é “o rosto do céu”, para mim, uma força da Natureza!

Eduardo Augusto

02/02/14


Pequenas felicidades

Pequenas felicidades

Lembrei-me hoje de um pequeno poema do dramaturgo alemão Bertold Brecht e que se chama Felicidade. Ele começa assim:

 “O primeiro olhar da janela, de manhã

O velho livro perdido e reencontrado

Rostos animados

A neve, a sucessão das estações… e termina dizendo: ser camarada!

Cada um de nós também pode fazer “sua lista de pequenas felicidades”. Uma delas, para quem já a experimentou, é colher fruta no pé e, claro, saborear ali mesmo tanta gostosura!

 Que possamos saborear mais cada instante da vida!

Eduardo Augusto

31/01/14


Esconde esconde

Esconde esconde

É fascinante ver como uma criança brinca de esconde-esconde! Quanta verdade ela coloca nessa simples brincadeira!

http://catracalivre.com.br/geral/urbanidade/indicacao/saiba-por-que-as-criancas-sao-as-campeas-do-esconde-esconde/

Eduardo Augusto

10/01/14

 


Braço forte, cabeça e coragem

Santiago II

Santiago Andrade, 49 anos, repórter cinematográfico da rede Bandeirantes de televisão. Um homem como outro qualquer, um pai de família, como tantos outros.

Você teve a coragem de estar no olho do furacão captando com suas lentes a indignação de muitos, mesclada com a violência irracional que nos faz pensar que algo está errado. Muito errado. Um rojão, um estrondo. E sua vida se foi. Suas ideias, seu passado a duras penas conquistado com o suor de teu rosto, seus planos para o futuro.

Como não se emocionar com a carta escrita por sua filha, Vanessa Andrade. Registro que nos faz enxergar o quanto você era uma pai amoroso e antenado, que seguiu junto com ela em tantos momentos. A adolescência chegou: “Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.”

Carregando por tantos anos sua câmera, “braço forte, cabeça e coragem e fé” como cantou o poeta.

Como não se emocionar ao ver repórteres e cinegrafistas, inclusive de outras emissoras e veículos de comunicação, colocarem seus instrumentos de trabalho no chão, numa justa homenagem. Como não se emocionar ao assistir ao final do Jornal Nacional, jornalistas todos de pé, em silêncio, sua fotografia ao fundo e, ao final, os aplausos.

Como não se render diante de tamanha violência, como não honrar seu nome, sua profissão, sua luta?

Santiago de Andrade, sua história vivida e construída, não será esquecida enquanto existir (e que exista sempre), uma imprensa livre, mesmo com seus defeitos e lacunas. Enquanto não vivermos num país, com justiça social .

Com essas palavras, minha sincera homenagem! Continuemos a trabalhar pela paz!

Eduardo Augusto

12/02/14


Amigo é casa

Amigo é casa

Sempre observei o fato das crianças “fazerem” amizades quase que instantaneamente. Um sorriso, um olhar, um movimento e já estão chamando pra brincar _ como já se conhecessem há bastante tempo. O filósofo Pitágoras disse certa vez: “a amizade é uma igualdade harmônica”.

Tem encanto e beleza uma amizade verdadeira. Amigos se contam nos dedos, falava o meu pai. Muita gente diz que são nas horas difíceis que eles se apresentam e ali permanecem, até que a tempestade passe.

Fazer amigos, construir pontes de solidariedade e afeto, expandir em nós, o amor que também vem do outro.

Coração livre e aberto, porque “Amigo é casa que se faz aos poucos” , como cantou o poeta!

http://www.youtube.com/watch?v=3v73ecjopiQ

Eduardo Augusto

02/02/14