Simpatia

Sabe aquele vizinho com cara de poucos amigos que você cismou com ele? A recíproca é verdadeira. Um belo dia, na garagem, você se lembra que esqueceu o controle remoto do portão. Voltar no apartamento? Há visitas dormindo e a chance de acordá-las é enorme. Não, não, melhor esperar uma viva alma aparecer, digo, uma boa alma que abrirá o portão e sairá no mesmo horário que você. 

Segundos depois deste pensamento, quem aparece nesta inesquecível 2ª feira, logo cedo, tudo deserto? Isso mesmo, o bendito vizinho. Dos trinta e tantos apartamentos desceu ele e você não pode se atrasar hoje!

Com a maior cara de felicidade, (há momentos na vida em que rimos de nervoso), você abre o vidro do carro e pergunta:

_ Bom dia, será que você pode abrir o portão da garagem pra mim? É que…

_ Bom dia! Claro! 

Sinceramente, tamanha disponibilidade e simpatia é aquele tapa de luvas do destino!

Lembre-se…nem tudo está em nosso controle!

 Eduardo

29/03/12

Anúncios

Escrito nas estrelas

Como você, vivi histórias muito marcantes ao lado de pessoas que já se foram deste plano material… Tenho a nítida certeza de que, termos nos encontrado, estava escrito nas estrelas.

Essas pessoas continuam vivas em mim e o que deixaram no meu coração e em minha memória contribuiu enormemente para que eu seja quem sou.

Como num filme, relembro maravilhosos e bons momentos vividos. 

A todas elas, minha eterna gratidão!

Eduardo

27/03/12


Um lado

Diz o ditado que “tudo tem um lado positivo”. Perceber isso nem sempre é fácil. Principalmente, se estamos no olho do furacão… o mundo em volta, girando a mil.

Precisei certa vez que uma moça digitasse um trabalho acadêmico e marcamos de nos encontrar no centro da cidade. Por aquela época eu morava bem distante dali. Mas, fui de ônibus e cheguei ao local com antecedência. Muito tempo depois, percebi que havia perdido a viagem. Ela não apareceu. Encostei-me um pouco decepcionado num prédio e lembrei-me do ditado. Olhei para o horizonte. “Bom, a cidade daqui tem um ângulo nunca visto por mim. Isso não deixa de ser um lado positivo!” Assim que terminei de falar mentalmente a frase, um grande amigo meu que havia me visto do outro lado da rua, parou ao meu lado e olhando também para o horizonte disse:

 _ Boa tarde! Surpreso, fiquei alguns segundos em silêncio e exclamei em seguida: que bom te encontrar!

 Dali, fomos tomar um café e falar da vida!

Não sei se tudo tem um lado positivo. Tudo é muita coisa… mas, que a vida nos reserva boas surpresas, isso sim!

 Eduardo Augusto

21/03/12


Sofrer não é bom

Sofrer não é bom, mas faz aprender.  A pessoa que passa por um sofrimento pode fazer um mergulho em seu próprio ser e de lá emergir, trazendo novas compreensões de si, dos outros e da vida. Através dele, avaliamos o fluxo das coisas com lentes aumentadas.

Muitas pessoas causam sofrimentos a si mesmas, pois se deixam levar cegamente por impulsos e emoções negativas. Suas escolhas têm um preço, muitas, bastante alto. Outros, causam sofrimentos à sua volta, sem nem mesmo perceber. Como disse certa vez o pesquisador Rudolf Steiner, criador da antroposofia: destroem a harmonia. São palavras que ferem, gestos que dizem muito e atingem o cerne do outro. Esta é a faceta mais cruel do sofrimento que impingimos, principalmente, às outras pessoas.

Faz bem não sofrer à toa, faz bem buscar o equilíbrio todos os dias. O ser humano aspira à felicidade e ela é feita de pequenos e importantes detalhes. Sei que não é fácil, mas também, não é tão difícil.

Eduardo

21/03/12


Flex

Todo mundo é um pouco cabeça dura, não é mesmo? Insistimos em fazer as coisas do nosso jeito, quase sempre seguindo o que achamos certo. Falta-nos uma preciosa qualidade: a flexibilidade.

Ser flexível é escutar, é examinar, mudar o rumo, relaxar, soltar, ver de outro ângulo.

Em casais a falta de flexibilidade fica mais evidente. Na maior parte das vezes em que o marido ou a esposa afirmam algo, pode ter a certeza, ele ou ela, está vendo mais longe, mais perto, que você. Isso é fruto da intensa convivência que têm.

Casados ou não, podemos ser mais flexíveis. Como os carros, hora injetaremos um combustível, hora outro, mas, ficaremos mais abastecidos, deixando de perder tempo com nossa limitada visão ou, com algumas coisas que só atrapalham.

 Eduardo

19/03/12


A menina e o boulevard

Oi Clara, que bom comemorar com você mais um aniversário! Tudo de bom! Muitas felicidades, que seus sonhos se realizem!

Como descrever o que sentimos assim que você chegou? Eu me lembro muito bem quando fui chamado à sala de parto, pois você estava quase nascendo… levei a câmera fotográfica, mas ao escutar o seu choro fiquei como uma estátua. A alegria pode ser paralisante! A enfermeira me perguntou:

_ O senhor não vai fotografar?

_ Tira pra mim, por favor!

Nem mesmo um simples click seu pai foi capaz de realizar. Depois fomos pro quarto. O que fazer com uma menininha tão pequenininha dali pra frente? Nem me arrisquei a procurar um manual! Sua mãe, a mesma coisa. Lembro-me também de ver na madrugada, no dia em que você nasceu, lá do décimo quarto andar do hospital, o Boulevard Arrudas. Tudo parecia tão calmo e uma serena alegria preenchia todo o meu ser. Indescritível emoção desse novo começo!

Quantas adivinhações, principalmente nos primeiros meses: “Edu, acho que ela tá com cólica. Não Ana, deve tá com sede. Se não for isso, é fome!” Quantas fraldas, mamadeiras, papinhas… e, muitas noites em claro! Tudo isso valeu e vale a pena, pois encontrar seu sorriso todos os dias, ver o brilho nos seus olhinhos, nos alimenta e inspira a continuarmos juntos nesta jornada pela vida, em busca da evolução espiritual.

Você me ensina todos os dias que criança é criança, que para te educar é preciso muita paciência, amor e que será necessário te explicar diversas vezes, muitas coisas… Há uma dessas explicações que, acho, não passa um dia sem que seja dita: Clara, calça o seu chinelo!  Sem essa frase fica incompleto! Mas, você é criança né?!

Isso mesmo filha, aproveite esse tempo ao máximo! Pule, brinque, corra! Dê muitas cambalhotas! Durma até tarde! Obedeça aos seus pais! Ame a vida, a natureza, os bichos e viaje, não só pelo país da imaginação, como por muitos lugares desta Terra. Conheça pessoas de bem, busque o autoconhecimento!

Desejamos a você muitas bênçãos de paz e que você possa contribuir para um mundo melhor com sua emoção, sensibilidade e inteligência! Por onde você andar, onde estiver, clareia! Que o Mestre te guarde e te ilumine sempre!

 Beijos do papai e da mamãe!

Te amamos!

16/03/12.

 


O filósofo e o xixi

Tive o privilégio de conhecer pessoalmente o pensador e escritor Rubem Alves pouco antes de prestar o vestibular para filosofia. Disse isso a ele e não perdi a chance de ganhar um autógrafo. Ele escreveu: “Eduardo, há filósofos leves e pesados…há filósofos leves que fazem voar…” O restante não consegui entender!

Desde muito tempo me senti atraído por construções teóricas. A tentativa de explicar a vida, por meio delas, de capturá-la na malha fina das palavras sempre me fascinou.

Pouca gente sabe que a palavra teoria vem de um verbo grego que significa “ver”. As teorias existem para que possamos ver melhor as coisas. Quantas delas não existem? 

Recentemente conclui a leitura de um livro bem interessante “Qual é a tua Obra?” escrito por outro filósofo, Mário Sérgio Cortella. Sua filha, que escreveu o prefácio, relembra de quando perguntou a ele, o que era filosofia. Ele respondeu com uma anedota que circulava no meio acadêmico: “a filosofia é como um cego procurando um gato preto num quarto escuro, onde não há gato algum!”

Certa vez estávamos eu e meus colegas numa aula de filosofia. O professor ensinava bastante concentrado passagens da Ética de Spinoza cuja inovação foi mostrar que a razão não se opõe aos afetos, sendo ela mesma, uma vontade de encontrar a alegria, o bem-estar e de evitar ao máximo, tudo aquilo que nos causa tristezas. Trata-se na verdade, segundo ele, de deixar-se guiar pela razão. Tudo transcorria muito bem quando um colega nosso que havia chegado atrasado soltou esta, quase ao final da aula:

_ Professor isso aí que o senhor tá explicando é igual àquela situação: a gente tá apertado pra fazer xixi, muito apertado mesmo e, quando vai chegando perto do vaso, a vontade aumenta, aumenta, como se a gente fosse explodir! Gargalhada geral! Ao que disse o professor entre risos: agora você viajou!

Encontrei-me novamente com o Rubem Alves ao final daquela palestra, quase sem querer, e perguntei a ele:

_ Rubem, não estou entendendo sua letra aqui nesta frase, traduz para mim. Ele colocou os óculos e disse, como só ele sabe dizer: filosofia pode ser divertido!

Eduardo

13/03/12